domingo, 29 de março de 2015

Prestação de Contas Sinte-RN

SINTE-RN NÚCLEO DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE DIVULGA AS PRESTAÇÕES DE CONTAS DOS MESES DE JANEIRO E FEVEREIRO. CONFIRA:



Prestação de Contas

SINDSAÚDE-RN NÚCLEO DE SÃO GONÇALO DIVULGA A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO MÊS DE FEVEREIRO


Assembleia da Educação em Abril

NOVA ASSEMBLEIA DA EDUCAÇÃO DE SÃO GONÇALO SERÁ DIA 9 PARA DAR OS INFORMES SOBRE A ÚLTIMA AUDIÊNCIA NA PREFEITURA



No próximo dia 9 de abril (quinta-feira), os servidores da Educação de São Gonçalo do Amarante farão uma nova assembleia para discutir a campanha salarial e educacional de 2015. Marcada para às 14h, no Clube dos Correios, a assembleia também tem o objetivo de divulgar os informes da audiência com a prefeitura, no último dia 26 (quinta-feira).

A audiência da semana passada foi fruto da mobilização e da pressão dos servidores, que realizaram uma paralisação de advertência no início da semana (23), com ato em frente à prefeitura. O ato chegou a ser destaque no site Informativo Atitude, confira:

“(...) dezenas de professores realizaram um movimento na prefeitura de São Gonçalo do Amarante cobrando melhores condições de trabalho e valorização profissional. Na pauta os pedidos mais acentuados foram às reformas das escolas, fardamento escolar e a retirada de estagiários da função de professores titulares das salas de aula.

Segundo alguns professores, atualmente São Gonçalo do Amarante oferece uma das piores estruturas de ensino dos municípios que compõem a Região Metropolitana de Natal (RMN). Escolas sucateadas, alunos sem fardamento escolar, professores sem capacitações ao longo do ano e um grande número de estagiários exercendo a função de professor titular são alguns dos exemplos de como anda a educação desta municipalidade. Além do mais, os educadores cobram reajustes como a progressão de letras e quinquênios.

Os docentes, que passaram a manhã toda acampados esperando uma audiência com o secretário de educação informaram que se os pontos pautados não forem atendidos pela gestão são-gonçalense, a categoria pode deflagrar uma possível greve.  Como o secretário de educação não compareceu quem recebeu a categoria foi o secretário de administração da cidade, que ficou de marcar uma nova reunião com a classe para discutir os problemas.”


Clique aqui e confira a matéria original do Informativo Atitude sobre o ato dos servidores.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Áreas de Lazer Sindsaúde

SEMANA SANTA: VAGAS NAS ÁREAS DE LAZER SERÃO DEFINIDAS EM SORTEIO NESTA SEXTA

Pré-inscrição pode ser feita até sexta-feira (27), às 14h. Sorteio foi realizado com sucesso no carnaval e na virada do ano


Devido à alta procura nos feriados prolongados (Natal, ano novo, carnaval e semana santa), desde o ano passado o Sindsaúde recorreu ao sorteio entre os interessados. O sistema evita o congestionamento de ligações nos dias de reserva, como vinha ocorrendo, e garante total transparência, sendo aberto a todos os interessados e filmado.

Para a semana santa, os sócios interessados devem telefonar ao sindicato até a sexta (27), às 14h, deixando nome, telefone e matrícula para participar do sorteio. Em seguida, às 15h, o sorteio será feito no auditório. Na ocasião, também será sorteada uma lista de espera, para possíveis desistências.


Nos outros finais de semana do ano, o formato de reserva continua o mesmo, com a reserva sendo feita por telefone no último dia útil do mês anterior (Área de Lazer da Redinha) e primeiro dia útil do mês (Área de Lazer de Pium).

Fonte: Sindsaúde-RN Estadual

Congresso do Sindsaúde

CONGRESSO DO SINDSAÚDE APROVA TEXTO COMUM SOBRE A CRISE NO PAÍS

Servidores presentes ao congresso aprovaram um programa contra a crise econômica, não apoiam manifestações pelo impeachment e propõem um ato dos trabalhadores, no dia 07 de abril

O XI Congresso do Sindsaúde aconteceu em meio a grandes manifestações pelo País. Na sexta, 13, enquanto os delegados e delegados chegavam ao local do congresso, em Nísia Floresta, a CUT, o MST e outros movimentos sociais realizavam atos pelo País. Mesmo com uma pauta contra as medidas do governo, na prática o ato simbolizava um contraponto aos protestos de domingo, 15, que pediram o impeachment de Dilma.

O aumento das crises econômica e política e o significado dos dois atos foram debatidos no congresso. Este foi o tema da maioria das falas da cerimônia de abertura, e dos palestrantes na Mesa sobre a conjuntura nacional, na noite de sexta. Ao final, as teses 1 e 3 produziram uma proposta de resolução em conjunto (abaixo), que foi aprovada por unanimidade pelos presentes, adicionando ainda contribuições da Tese 2.

O texto defende um conjunto de propostas dos trabalhadores para a situação em que atravessa o País, para que não paguem pela crise econômica e denuncia os ataques aos direitos trabalhistas (pensão, abono, seguro-desemprego) e a alta dos preços na energia, nos combustíveis e nos preços dos alimentos.

A resolução também não apoia os protestos realizados nos dias 13 e 15, e defende um terceiro campo, que não seja nem em defesa do governo nem da direita que defende o impeachment e que é tão corrupta quanto o atual governo. Nem PT, nem PSDB nos representam!

Os servidores da saúde defendem a luta contra os ataques do governo, contra a corrupção, por uma Petrobras 100% estatal, e para isso, propõem a realização de um ato público no dia 07 de abril.


Clique aqui e leia o texto sobre conjuntura nacional apresentado ao Congresso pelas teses 1 e 3.

Seminário Nacional do SUS

SINDSAÚDE ESTADUAL ENVIARÁ REPRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO NACIONAL EM DEFESA DO SUS

 No próximo final de semana, ocorrerá o V Seminário da Frente Nacional Contra a Privatização da Saúde, com o tema 'Saúde, Crise do Capital e Lutas Sociais na América Latina. O evento ocorrerá na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e na Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz), no Rio de Janeiro, com palestrantes do Brasil e de outros países latino-americanos.

A participação no Seminário foi aprovada no XI Congresso do Sindsaúde, como forma de avançar na luta contra as diversas formas de privatização da saúde pública, como a Ebserh, o repasse ao capital privado, a terceirização, etc. O sindicato também vem participando das reuniões do Fórum Estadual Contra a Privatização do SUS, que realizou uma mesa-redonda nesta semana.


Devido ao pouco tempo até o evento e da distância, a direção do Sindsaúde aprovou o envio de uma delegação de quatro servidores(as), para participar das discussões, e depois reproduzir em nossa região. Como forma de representar as diversas correntes de pensamento da categoria, duas das quatro vagas serão destinadas à representantes das teses apresentadas em nosso congresso e que não fazem parte da atual direção, ou seja, as teses 2 e 3.

Confira a programação completa do seminário clicando aqui.

Fonte: Sindsaúde-RN Estadual

Greve da Saúde em S. J. Mipibu

SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DE MIPIBU CRUZAM OS BRAÇOS E FAZEM GREVE UNIFICADA

O motivo é o Projeto de Lei aprovado na câmara dos vereadores que congela o quinquênio

Servidores públicos da Prefeitura de São José de Mipibu, inconformados com a aprovação do Projeto de Lei n° 40/2015, enviado pelo prefeito Arlindo Dantas e aprovado pela Câmara Municipal na calada da noite, decidiram cruzar os braços até que o projeto seja revogado. A paralisação deu início na última quinta-feira (19), após duas assembleias gerais, abrangendo todos os servidores municipais que decidiram a greve unificada.

A lei vem sendo chamada de lei do congelamento, pois mexe com o quinquênio, ferindo os direitos dos trabalhadores adquiridos com muita luta. Os servidores da saúde também apoiam a greve unificada e convoca todos os servidores à participarem da assembleia nesta quarta-feira (25), às 13h no CAPE, para decidirem os rumos que a categoria deverá tomar.

O Sindsaúde apoia a greve dos servidores do município de São José de Mipibu, e entende que a unidade é muito importante para fortalecer a luta dos trabalhadores. Só assim é possível exigir da prefeitura que revogue a lei que retira os direitos históricos dos trabalhadores.


Fonte: Sindsaúde-RN Estadual

Greve da Educação em São Paulo

"NOSSA GREVE NÃO EXISTE PARA A REDE GLOBO", AFIRMAM PROFESSORES DE SÃO PAULO

Presidente do sindicato enviou carta ao diretor de Jornalismo da emissora, pedindo "coerência" na cobertura das manifestações que ocorrem no Estado



Durante semanas o governo do Paraná, capitaneado por Beto Richa (PSDB), enfrentou uma greve geral que pôs mais de 100 mil professores nas ruas, em protesto por melhores condições de trabalho e renda. Apesar da dimensão dos atos, a grande mídia deu pouco espaço às demandas dos educadores, e o mesmo ocorre, agora, em São Paulo, Estado governado pelo correligionário de Richa, Geraldo Alckmin. "Nossa greve não tem a devida cobertura na maior rede de televisão do país", escreveu o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo (APEOESP).

O tratamento não passou em branco. Em carta a Ali Kamel, diretor de Jornalismo da maior emissora do país, a Rede Globo, Maria Izabel Azevedo Noronha, presidente da APEOESP, cobrou coerência e isonomia na cobertura das manifestações em São Paulo. "Os professores da rede de ensino público de São Paulo estão em greve desde o dia 13 de março. Para a Rede Globo, no entanto, nossa greve não existe", introduziu a dirigente.

Maria Izabel destacou que cerca de 40 mil professores marcharam na Rua da Consolação na sexta-feira (20), mas não houve menção nos telejornais da Globo. "A mesma emissora, porém, fez grandiosas reportagens ao vivo nas manifestações do dia 15 de março, na Paulista. Por que a diferença de tratamento?", questinou.

Segundo a presidente, mesmo com o protesto tendo atingido cerca de 135 mil professores, que estão parados aguardando negociação com o governo Alckmin, a Globo segue sem ouvidos para a entidade que representa a categoria. Em contrapartida, os microfones estão sempre abertos à Secretaria de Estado de Educação, em defesa da gestão tucana.

"A ética do bom jornalismo determina que todas as partes envolvidas em determinado fato sejam ouvidas e que sejam divulgadas suas posições", lembraram os professores. "Se a Rede Globo defende a liberdade de expressão, deve cumprir as regras do Estado democrático de direito. Como concessão pública, deve cumprir seu papel de informar à população sobre todos os fatos que possam interessar."


A próxima assembleia estadual acontece em 27 de março, às 14h, no MASP. A APEOESP demanda aumento salarial de 75,33% para equiparação salarial com as categorias de ensino superior. Entre outros pedidos estão o de desmembramento de salas de aula superlotadas, a conversão de bônus salarial em reajuste, garantia de direitos na contratação de professores temporários, limitação de 25 alunos por sala nos ensinos fundamental e médio, atendimento médico, infraestrutura adequada e educação integrada no lugar de escolas integrais.

Fonte: Jornal GGN

Greve da Educação no Pará

PROFESSORES DO ESTADO DO PARÁ INICIAM GREVE COM ASSEMBLEIA E ATO EM BELÉM (PA)

Greve foi decidida pela categoria semana passada e conta com o apoio de pais e estudantes



Mesmo debaixo de uma forte chuva característica do inverno amazônico, os professores da rede estadual do Pará deram início oficialmente à greve decidida pela categoria na semana passada. Mais de 2.500 trabalhadores da educação participaram da assembleia realizada nesta quarta-feira (25), às 9h, em São Brás, pelo Sindicato dos Professores do Estado do Pará (SINTEPP), que contou também com o apoio de estudantes da rede pública e pais de alunos.

O movimento de paralisação por tempo indeterminado da categoria tem como principal reivindicação a exigência de que o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB) pague o piso salarial dos professores que está atrasado desde janeiro, além da manutenção das aulas suplementares sem redução de salários, eleição direta para diretor e implementação do Plano de Carreira Unificada. Cerca de 80% da categoria, aderiu ao movimento grevista.

A greve começou a ser organizada pela categoria desde segunda-feira (23) quando os professores reuniram-se com estudantes explicando os motivos que os levaram à paralisação. Na terça-feira (24), foi a vez dos pais dos alunos participarem de reuniões nas escolas com a categoria. Na assembleia de quarta-feira (25), estudantes de algumas escolas estaduais como a escola Augusto Meira, umas das maiores de Belém estavam presentes com cartazes em apoio e solidariedade à greve dos professores. Eles chegaram à assembleia cantando: “O professor é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo”.

Pouco mais de 10h, a categoria saiu em passeata com carro-som, fechando a Avenida Almirante Barroso, principal via de entrada e saída de Belém e se dirigindo até a Secretaria de Administração do estado (SEAD). Durante o ato, os professores receberam o apoio e a solidariedade de diversas pessoas nas ruas, de operários da construção civil que trabalhavam em obras próximas. Gilmar Mendes, diretor, representando o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Belém, filiado à CSP-Conlutas, esteve presente no ato e falou no carro-som que os operários do setor estão apoiando a greve dos professores.

O pedagogo e especialista em educação, Antônio Diniz, disse em entrevista que a situação da educação pública no Pará é lamentável. Enquanto Jatene cria uma secretaria especial para sua filha, os professores e alunos sofrem com escolas sucateadas, com a falta de merenda escolar, falta de livros didáticos, e outras coisas. Ele denunciou que Jatene quer mexer na jornada dos professores, o que acaba mexendo também com os seus vencimentos. O atraso do pagamento do piso, que deveria ser reajustado em 13,01%, gera revolta e indignação já que governo sinalizou pagar só no fim de abril e não há perspectivas de os professores receberem os retroativos correspondentes a janeiro, fevereiro e março. “A categoria não vai aceitar parcelamento de piso”, disse Antônio.

No meio do ato, a TV Liberal, filiada à Rede Globo, foi expulsa pela categoria por ter chamado em seu jornal, os professores de trapaceiros e mafiosos. Josyanne Quemel, professora que constrói a Oposição Luta Educador, filiado à CSP-Conlutas, disse que quem mente é a Liberal e Jatene, e que a luta dos professores é em defesa da educação pública.

O ato terminou em frente à SEAD, onde a categoria votou uma agenda de lutas para os próximos dias e sua participação em massa, amanhã, no dia 26 de março, dia nacional em defesa da educação pública. A greve começou e começou forte.


Fonte: CSP-Conlutas, com informações de Wellingta Macêdo, direto de Belém do Pará

Luta Nacional Contra Cortes na Educação

NESTA QUINTA-FEIRA: MOVIMENTOS SINDICAL E ESTUDANTIL FAZEM DIA DE LUTA NACIONAL CONTRA CORTES DO GOVERNO NA ÁREA DA EDUCAÇÃO

Já nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (26) estudantes e trabalhadores começaram a se mobilizar pelo país como parte das atividades que ocorrerão neste Dia Nacional em Defesa da Educação.

Em São Paulo, os trabalhadores metroviários panfletaram um material em alusão à data nas estações de Metrô.

Dia Nacional em Defesa da Educação - ato metroviários:


Também ocorre neste momento manifestação dos professores estaduais em greve em Guarulhos (SP).

Ato dos professores estaduais em Guarulhos (SP):



Na USP estudantes participaram da atividade do coletivo feminista Marias Badernas, do curso de Letras, compondo o dia nacional de luta em defesa da educação.

Em Belo Horizonte (MG), estudantes, professores e funcionários da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) fizeram uma manifestação na manhã na porta do campus Pampulha. O grupo fechou parte da Avenida Presidente Antônio Carlos, no sentido bairro/Centro. O protesto é contra o corte de orçamento do governo federal e os impactos da falta de dinheiro na instituição de ensino. Em meio ao protesto, funcionários terceirizados anunciam uma greve geral.

Em Caruaru (PE), as principais ruas do centro de Caruaru foram tomadas por estudantes que realizaram uma passeata.

Dia Nacional em Defesa da Educação - Caruaru - PE



Em Belém (PA), a Universidade Federal do Pará parou as atividades neste dia 26 e os portões da reitoria da universidade amanheceram trancados.

Dia Nacional em Defesa da Educação - Pará:


Em Porto Alegre (RS), os secundaristas e os estudantes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul unificam suas lutas no dia nacional contra os cortes na educação e pelo passe livre.  Neste momento, os estudantes está em frente à Faculdade de Educação de universidades federais.

Dia Nacional em Defesa da Educação em RS:



Estão previstas diversas atividades em praticamente todas as capitais do país. Confira:

Em São Paulo, pela manhã, ato na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) e na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) de Guarulhos. Às 18h, no Vão Livre do Masp, haverá uma aula pública com a participação do presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino Prazeres, e o representante do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, entre outras figuras públicas, para debater o momento pelo qual passa o país, com os ajustes de Dilma e a onda de protestos e lutas acontecendo. Ao fim da atividade, os presentes irão participar da vigília dos professores em da rede estadual, na Secretaria de Educação.

No Paraná está sendo chamado o dia estadual em defesa da Educação que comporá o calendário nacional, com manifestações universidades estaduais e diversas outras ações.

No Rio de Janeiro terá uma atividade em Niterói pela manhã na Universidade Federal Fluminense (UFF) e à tarde um ato unificado na Cinelândia, região central da cidade.

Entidades que participam do ato:


O dia 26 de março, convocado inicialmente por organizações estudantis como Assembleia Nacional de Estudantes – Livre (Anel), Juntos e Esquerda da UNE foi incorporado por outras entidades do movimento sindical como o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) e o Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe),  sindicatos estaduais de profissionais da Educação como o do Rio de Janeiro, o Sepe, e o de Belo Horizonte, o SindRede, além de compor o calendário de mobilizações da CSP-Conlutas.

Fonte: CSP-Conlutas

Jornada Nacional de Lutas

ENTIDADES APROVAM JORNADA DE LUTA NACIONAL DE 07 A 09 DE ABRIL

A reunião do Espaço de Unidade de Ação que aconteceu na sexta-feira (20) no Sindicato dos Metroviários de São Paulo contou com a presença de diversas entidades de trabalhadores, estudantes e movimentos sociais. O centro do debate foi a conjuntura nacional à luz dos recentes acontecimentos no país e a preparação dos próximos passos das lutas unificadas dos trabalhadores em defesa de seus direitos. O tom do debate foi “Nem dia 13, nem dia 15! Vamos construir uma alternativa da classe trabalhadora, um campo independente de governos e patrões”.

Para os que estavam presentes, o desafio dos movimentos que estão no campo da esquerda é se diferenciar das bandeiras levantadas pelo setor capitaneado pela direita e que foi às ruas no último dia 15 de março; assim como se diferenciar dos setores governistas que seguem sustentando o governo mesmo com o ajuste fiscal, a privatização da Petrobras e a rejeição à desastrosa política econômica que afeta diretamente a classe trabalhadora.

Entre as resoluções, a reunião apontou como primeiro passo a participação no 26 de março, Dia Nacional de Luta em Defesa da Educação, convocado inicialmente por organizações estudantis como Anel, Juntos e Esquerda da UNE. A data já foi incorporada por outras entidades do setor como os sindicatos de profissionais da educação estadual do Rio de Janeiro, Sepe, e Minas Gerais, SindRede BH, assim como o Andes-SN e o Sinasefe. Representante do coletivo Juntos, Natália Bittencourt ressaltou a reunião como um espaço privilegiado para o debate e chamou o reforço ao dia de luta em defesa da educação pública.

Ainda no dia 26 de março haverá um protesto na Petrobrás, durante a reunião do Conselho Administrativo da empresa. A Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e outras entidades farão panfletagem e ato contra a venda de ativos anunciada recentemente, “que na prática é mais um passo na privatização da empresa” alertou um dos dirigentes da FNP, Clarkson Nascimento.

Também houve acordo na construção de uma jornada de mobilização com paralisações a serem realizadas de 7 a 9 de abril, coincidindo com as jornadas de mobilização dos servidores públicos federais e outras categorias em luta. Os operários da construção civil do Ceará e os metalúrgicos de São José dos Campos e região, por exemplo, vão realizar paralisações.

Além disso, foi frisada a importância de que essas mobilizações sejam organizadas a partir de reuniões ou plenárias nos estados, ou seja, pela base dos trabalhadores. “Essas atividades devem ser ampliadas e fortalecidas com a presença de entidades e movimentos locais”, chamou atenção o dirigente da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, Sebastião Pereira, o Cacau, ao propor os encaminhamentos da atividade.

Entre as bandeiras comuns estão a luta contra as demissões que vem ocorrendo no país, os cortes orçamentários e ataque aos direitos dos trabalhadores, representados principalmente pelas medidas provisórias 664 e 665, editadas pelo governo Dilma e a reedição do projeto de lei 4330 que aprofunda as terceirizações e a precarização do trabalho, assim como a defesa da Petrobras 100% estatal e bandeiras específicas de categorias em seus estados.


Fonte: Sindsaúde-RN, com informações da CSP-Conlutas

10% do PIB para Educação JÁ!

COMITÊ PELOS “10% DO PIB PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA, JÁ!” LANÇA CARTILHA EM FRENTE AO MEC



O Comitê Executivo Nacional da Campanha pelos “10% do PIB para a Educação Pública, Já!”, que reúne entidades como o ANDES-SN e a CSP-Conlutas, lança nesta quinta-feira (26), em frente ao Ministério da Educação (MEC) em Brasília (DF), a cartilha do I Encontro Nacional Educação (ENE), ocorrido em agosto de 2014, no Rio de Janeiro, o qual reuniu mais de 2 mil representantes da educação pública de diversos movimentos sindicais, sociais e populares de todo o país. Também na quinta-feira, acontece em todo o Brasil o Dia Nacional em Defesa da Educação Pública.

A cartilha reúne as principais bandeiras da luta em defesa da educação pública, com base nos sete eixos que nortearam os debates do ENE: o financiamento da educação pública; a democratização da educação; o acesso e permanência; o passe livre e transporte público; a privatização e mercantilização da educação das creches à pós-graduação; a precarização das atividades dos trabalhadores da educação; e a avaliação meritocrática na educação.

O material servirá de apoio aos comitês estaduais na construção dos encontros regionais, que deverão ocorrer no segundo semestre de 2015, como preparativo para o II ENE, que será realizado no ano que vem. Também tem como objetivo de fortalecer a mobilização, segundo Giovanni Felipe Frizzo, 1º vice-presidente da Regional Rio Grande do Sul do ANDES-SN e membro da comissão responsável pela elaboração da cartilha. “A cartilha tem a dupla função de preparar o debate para o próximo encontro do ENE [em 2016], e também de servir como subsídio para a construção de um projeto de educação classista – organizado pelos trabalhadores e juventude, vinculados a educação por dentro de suas entidades e pelos espaços comuns de lutas – e articular essas lutas em defesa da educação pública do país”, aponta.

Frizzo conta que o Comitê protocolará a cartilha no MEC e irá cobrar do ministro da Educação a realização da audiência solicitada pelo Comitê em fevereiro. Fazem parte do Comitê Executivo Nacional da Campanha pelos “10% do PIB para a Educação Pública, Já!”, o Sinasefe, Assembleia Nacional dos Estudantes – Livre (Anel), a Oposição de Esquerda da União nacional dos Estudantes (UNE), a Executiva Nacional de Estudantes de Educação Física (EXNEEF), Conselho Federal de Serviço Social (Cfess), entre outras entidades e movimentos sociais.


Fonte: CSP-Conlutas, com informação do Andes-SN

terça-feira, 17 de março de 2015

Atenção servidores: Sinte-RN estará fechado nesta terça-feira

Devido à crise no sistema penitenciário estadual e aos últimos acontecimentos em Natal e região metropolitana, informamos que o Sinte-RN, núcleo de São Gonçalo do Amarante, permanecerá fechado nesta terça-feira, 17 de março.

Lamentamos os tristes fatos ocorridos na noite desta segunda-feira (16) e esperamos que a situação seja solucionada o mais breve possível, para que possamos retornar às nossas atividades já na quarta-feira (18).

Qualquer novidade, voltaremos a entrar em contato.